Programa para Audiovisual do MinC pode ajudar setor de Jogos, diz Abragames

Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Indústria Audiovisual, o Prodav, oferece oportunidades para novos projetos voltados a programas televisivos e mídia interativa, como 'websódios'. A Abragames, convidada para o pronunciamento oficial, quer garantir o fomento do programa à produção nacional de games - Por Kao Tokio

O Ministério da Cultura anunciou esta semana o lançamento do Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Indústria Audiovisual, “Brasil de Todas as Telas”, que terá início hoje, em Brasília, com participação da presidente Dilma Roussef.

Alê McHaddo, presidente da Abragames

O Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Indústria Audiovisual, PRODAV, é uma iniciativa do governo federal voltada ao incentivo projetos audiovisuais independentes em formatos variados. Em comunicado institucional, a Abragames informou que participará oficialmente do lançamento do projeto. “Importante mencionar que a Abragames foi convidada a participar como representante do setor de Games no Conselho Superior do Audiovisual”, escreveu em informativo nas redes sociais Eliana Russi, Gerente Executiva do Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers, projeto da Abragames com a Apex-Brasil, Agência Brasileira de Promoção a Exportações e Investimentos. “Nosso pleito é para que Games passem a ser considerados como Audiovisual Interativo e sejamos beneficiados pela Lei do Audiovisual, que, inclusive nos abrirá portas para acessar fundos importantes de financiamento como Fundo Setorial do Audiovisual”, afirmou no comunicado.

A criação do PRODAV vem sendo discutida pelo Ministério da Cultura há alguns anos e já apresentou algumas iniciativas, como a Chamada Pública 01/2013, que oferecia um fomento no valor total de R$ 50 milhões para projetos audiovisuais, sendo R$ 5 milhões desse montante reservados para telefilmes documentais, mas aberto também à produção independente de obras audiovisuais brasileiras destinadas ao mercado de televisão no formato de obras seriadas de ficção, documentário e animação. A nota divulgada pelo Portal Brasil sobre a Chamada Pública mencionava, além das modalidades acima informadas, a possibilidade de realização de episódios-pilotos, ‘websódios’ e, pela primeira vez, uma indicação efetiva do incentivo à criação de jogos eletrônicos.

BrasilA batalha pelo reconhecimento das produções nacionais de entretenimento eletrônico como projetos audiovisuais é uma das reivindicações mais consistentes da Abragames nos últimos anos e o convite do Ministério da Cultura à associação para integrar o pronunciamento oficial do PRODAV talvez seja o primeiro indício de atenção do governo federal a esse pleito. Alê MacHaddo, presidente da Abragames, afirmou, em encontro durante o SBGames 2013, que as conversações com representantes da Ancine, Agência Nacional do Cinema, vem se realizando com maior frequência e a busca pelo entendimento dos games como recursos audiovisuais parece próxima de uma definição. “A gente tem conversado muito com a Ancine, entendendo que o jogo é Audiovisual, um audiovisual interativo […] e a Ancine tem um projeto de entender, sempre com um viés cultural, que existe uma expressão de game design brasileiro, do mesmo jeito que se entedeu que nosso cinema era estratégico, há 10 anos”, comentou, durante o Simpósio de Games.

Um dos caminhos para o fomento aos jogos eletrônicos como produção audiovisual encontra-se na efetiva regulamentação da mídia e sua expressão cultural. “Uma das primeiras ações que a gente tem batalhado é tirar o jogo do artigo 26 da Lei Rouanet e trazer para o artigo 18, o que faz com que a produção de jogo se torne 100% não reembolsável”, explicou o desenvolvedor. “Eles [a Ancine] estão extremamente  favor disso”, enfatizou. “O importante é que a gente enxerga que, sem regulamentação local, não haverá crescimento”.

Eliana Russi - Abragames

Eliana Russi – Abragames

Para Eliana, esta aproximação é um passo decisivo na troca de ideias entre desenvolvedores de jogos e as ações do Ministério: “O MinC já convida outras entidades e nomes importantes do Audiovisual, a novidade é termos alguém da área de Games”, comentou, em breve troca de emails com o Play’n’Biz. “A expectativa é de começar a abrir um diálogo para nosso segmento, como disse, do desenvolvimento de videogames como audiovisual interativo. Gostaríamos que a Ancine cuidasse de nossa indústria”, finalizou.

O evento, aberto ao público, acontecerá a partir das 17h de hoje, no Palácio do Planalto, em solenidade com a Ministra da Cultura Marta Suplicy, o Diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel e demais autoridades. A participação, no entanto, exigia a confirmação de interesse, com a apresentação de dados pessoais, como nome completo, RG e CPF, através do e-mail cerimonial@ancine.gov.br até o último dia 27.

A arte da capa é uma reprodução do logo oficial do evento com personagens do Game brasileiro Ini Mini Mo

Sobre Kao Tokio
Editor de conteúdo do site Play'n'Biz - Pesquisador de novas mídias e entretenimento digital como linguagem e expressão da cultura contemporânea

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*



*