Pelo 9º ano consecutivo, Video Games Live toca o melhor das trilhas de jogos para os brasileiros

Apresentação musical com o que de melhor se produz para trilha sonora de games, VGL 2014 volta com grandes novidades e um setlist com temas de Super Mario Bros, The Legend of Zelda, Halo, Final Fantasy, Warcraft, Diablo, Sonic e Metal Gear Solid, entre outras composições. Mesmo com ingressos esgotados, há promoções na rede - Por Kao Tokio

Tommy Talarico e Video Games Live são nomes que já se tornaram parte do calendário nacional dos apaixonados por games e trilhas sonoras no Brasil. Assim tem sido nos últimos anos, desde 2006, quando o criador do evento esteve pela primeira vez no país, para deleitar o público nacional com os belos temas musicais compostos para os games, que têm conquistado audiência para além dos gamers, sendo apreciados e consumidos por amantes da música contemporânea e orquestral. Este ano, o VGL volta com um setlist que inclui criações divertidas como as composições realizadas para Super Mario Bros, Earthworm Jim, Frogger e Sonic, e outras produções mais elaboradas, a exemplo de Halo, Final Fantasy, Assassin’s Creed II, Uncharted, Chrono Trigger e Medal of Honer. O Play’n’Biz conversou com Thiago Adamo, reconhecido compositor de trilhas para games, que atua também nas baladas gamers com o codinome de PXL DJ. Adamo está à frente da produção nacional com demandas que vão da atenção às necessidades da realização à atualização das novidades nas redes sociais para o evento. Apesar de já estar com os ingressos esgotados para a apresentação que se realizará no próximo dia 07 de dezembro em São Paulo, no Teatro Bradesco, o VGL, conforme informações do produtor, conta com promoções relâmpago que irão contemplar alguns felizardos mais atentos ao projeto. Veja abaixo estas e outras novidades na breve entrevista realizada com o DJ.

Thiago Adamo - COmpositor

Thiago Adamo – Compositor

Play’n’Biz – O evento acontece há anos no país. O brasileiro é um apreciador natural de composições musicais para games? Porque?
Thiago Adamo – O Brasileiro naturalmente gosta de música pra games (principalmente pelo fator nostálgico). E a Video Games Live não atrai apenas fãs de música de games, mas fãs de games no geral! Esse viés do show não ser apenas uma celebração da música de games, mas também uma verdadeira homenagem aos games no geral, mantendo o aspecto nostalgico dos clássicos porém olhando para o futuro e sempre trazendo jogos recentes para a setlist, é um fator que atrai um público fiel que nem sempre é própriamente só um público focado em música pra games.

P’n’B – Quais os maiores desafios para realizar o evento no país e trazer novidades a cada ano?
TA – Para organizar um evento deste porte no Brasil é impossível sem um patrocínio, dado os custos de contratação da atração internacional, custos de equipamento, direitos autorais e tudo mais que envolve a realização de um show internacional desta dimensão. Manter um show durante nove anos consecutivos vindo ao Brasil (e com uma média de público alta) é um desafio bem grande, mas o nosso público demonstra a cada ano uma fidelidade impressionante ao show (estamos falando num momento em que a edição de 2014 é completamente sold out [com ingressos esgotados] e em um período de apenas uma semana de vendas), por esse motivo sempre estamos motivados a trazer o evento e, junto com o Tommy Tallarico (frontmen do projeto e dono da marca Video Games Live), sempre tentar viabilizar o maior número de novidades a cada ano, sem perder o fator nostálgico que todos amam.

P’n’B – O Tallarico já considerou incluir obras de games brasileiros nas apresentações do VGL?
TA – No Games Music Brasil em 2012 nós trouxemos Games Brasileiros e seus compositores para o evento que antecedia o show da Video Games Live. Tommy sempre se mostra simpático aos games nacionais e, como compositor, posso deixar claro que ele pode sim considerar no futuro trazer algum game nacional para o setlist. Tanto que esse ano terei um álbum meu (The Beats of Streets) sendo distribuído junto as recompensas do kickstarter para o novo álbum da Video Games Live, o Level 4 [a arrecadação no Kickstarter já foi alcançada e o bônus deverá ser distribuído conforme anunciado].

P’n’B – Eimear Noone, maestrina da Blizzard e Zelda Symphony, também estará no evento desse ano. Podemos esperar a audição de grandes temas de WoW e Diablo? Há surpresas reservadas?
TA – Normalmente temos músicas de World of Warcraft (até por que o Russell Brower, diretor de áudio da Blizzard já excursionou muitos anos com a Video Games Live) nos setlists, porém não posso adiantar nada, pois a seleção de músicas não esta confirmada, e será definida através de uma votação em que o próprio público poderá escolher na página de facebook da Video Games Live Brasil.

P’n’B – Paul McCartney produziu recentemente uma composição musical para Destiny; Stewart Copeland, ex-The Police, também já compôs para games, assim como Mark Snow, arranjador da série Arquivo X. É um novo mercado que se abre para artistas consagrados na área fonográfica?
TA – Na verdade temos muitos outros casos, como Hans Zimmer criando trilhas para um jogo da franquia Call of Duty e no Crisis 2. Hoje o mercado de games atrai compositores das mais diversas mídias e não só fora como no Brasil também. Estive ministrando um workshop no Sesc em Outubro deste ano e um dos compositores que acompanhou o workshop tinha criado trilhas pra séries de TV norte americanas e nacionais. Ele estava querendo ingressar no mercado de trilhas pra games, creio que isso vai se intensificar com o tempo, pois a demanda vem crescendo e apesar não termos uma gama de projetos que remunera bem (comparando com outras mídias) a demanda segue crescendo fora e dentro do Brasil.

P’n’B – Qual a participação do PXLDJ no evento? Haverá um set musical com o artista já reconhecido por seu trabalho com games no Brasil?
TA – Este ano não trarei nada especial para o evento no que toca a apresentação, talvez role um teaser de um projeto bem bacana, mas isso ainda fica na surpresa.

P’n’B – Quem responde pela produção brasileira do evento e quantos profissionais estão diretamente envolvidos?
TA – A produção nacional da Video Games Live se resume em: Sergio Murilo de Carvalho (dono da conexão cultural, empresa que organiza o evento no Brasil desde seu início), que é o organizador do evento. Na equipe de produção eu ocupo o papel de produtor (faço coordenação de mídia, contato com compositores, mídias sociais e produção geral do evento) e do Nino (da conhecida banda Mega Driver) que, além de produzir, cuida do site e de toda parte técnica envolvida. Para o show contamos com muitos outros profissionais envolvidos que ajudam a tornar tecnicamente viável o show.

P’n’B – Gostaria de acrescentar informações que considere importantes para a reportagem e que não tenham sido perguntadas nessa entrevista?
TA – O show deste ano já esta Sold Out, mas fiquem ligados para possíveis promoções culturais no nosso facebook (principalmente quem não conseguiu ingresso).
Agradeço o espaço concedido pelo Play´n’Biz e contamos com a cobertura de vocês para o evento.

Conforme destacado, a página de Facebook do site oferece contínuas atualizações e promoções. Estaremos presentes ao evento para a cobertura jornalística e traremos outras novidades sobre o projeto.

Video Games Live
Dia 7 de Dezembro de 2014, às 19hrs
Rua Turiassu, 2100 – 3° Piso
São Paulo
Site: http://www.videogameslive.com.br

VGL 2014b

Sobre Kao Tokio
Editor de conteúdo do site Play'n'Biz - Pesquisador de novas mídias e entretenimento digital como linguagem e expressão da cultura contemporânea

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*



*